Pisos esportivos para ginásios

A definição do tipo de sistema a utilizar, bem como de seu fornecedor, é de fundamental importância para o sucesso da construção. Essa escolha, segundo a arquiteta Patrícia Totaro, autora do Manual do Escopo de Contratação de Infraestrutura Esportiva, publicado pela Associação Brasileira da Indústria do Esporte (Abriesp), deve levar em conta seis fatores:

1) As características de performance desejada (uso amador, semiprofissional, profissional, treino, competição);
2) O uso esportivo e os usos em eventos não esportivos que podem ocorrer no local;
3) A segurança do usuário;
4) O conforto do usuário;
5) A manutenção requerida;
6) A estética adequada ao uso e ao local da implantação. Nesse ponto, mais do que por beleza, o piso do ginásio pode ter que atender a critérios de transmissões esportivas por televisão, por exemplo.

“Uma grande preocupação atual está em garantir a flexibilidade na utilização do espaço”, informa o arquiteto Celso Grion, sócio do escritório Effect Arquitetura, especializado em obras esportivas. Afinal, além de servir às competições e treinos de diversas modalidades de esportes, os ginásios normalmente utilizam a área de jogo para sediar eventos. E o piso deve ser capaz de possibilitar esse intercâmbio.

Em um ginásio esportivo, a área de jogo normalmente é utilizada para a prática de diferentes modalidades e cada federação exige determinadas características do piso. Por isso, um dos critérios para a escolha do revestimento é a homologação do material e dos fornecedores pelas diversas federações internacionais, caso a quadra almeje realizar eventos profissionais ou semiprofissionais.

Grion destaca alguns parâmetros técnicos que devem ser observados nesses casos, sempre de acordo com a modalidade esportiva que se quer realizar no ginásio:

n Amortecimento de impactos: impede lesões graves tais como microfissuras ósseas e lesões musculares e de tendões;

n Resiliência: significa o quanto o piso devolve de energia ao atleta, por exemplo, o impulso a um salto;

n Taxa de deslizamento: impede lesões; o piso não pode brecar a movimentação do atleta, assim como não pode ser extremamente liso;

n Taxa de rebote das bolas: o piso não pode amortecer ou impulsionar em demasia o quique da bola.

Hoje, a indústria oferece bases de piso e revestimentos próprios para cada tipo de espaço esportivo. No caso de ginásios, a recomendação é a de que a base seja sempre de concreto, com previsão de impermeabilização, acabamento da superfície e juntas de dilatação. Já os revestimentos podem ser com pisos modulares em polipropileno com ou sem camada amortecedora de impactos.

Mais do que apenas definir o objeto a ser adquirido (por exemplo, piso esportivo indoor), a licitação deve especificar as práticas esportivas que se pretende realizar sobre o piso. Além disso, o contratante deve exigir que todos os pisos sejam entregues acondicionados em embalagens apropriadas, sem violação, amassado ou deterioração que possam comprometer o uso ou qualidade.

No caso dos pisos de polipropileno, além dos critérios técnicos (resistência a impactos, à fricção e a temperaturas) é interessante certificar se o fabricante utiliza matéria-prima reciclável e desprovida de materiais pesados. “O licitante deve, ainda, atentar para que os prazos de execução sejam atendidos, já que muitos dos materiais utilizados nos pisos não são produzidos no Brasil e demandam trâmites de importação”, lembra Celso Grion.

Os fornecedores geralmente são responsáveis pela colocação dos pisos, contando com mão de obra especializada e equipamentos avançados para maior controle dos materiais e do nivelamento. O contrapiso, porém, pode ser executado anteriormente.

Durante o projeto e a execução de pisos esportivos em ginásios, alguns controles são importantes para garantir as qualidades técnicas exigidas e o dimensionamento mínimo. Um dos pontos críticos é a correta execução da base onde será aplicado o revestimento. O contratante deve atentar para que a especificação correta de projeto, como materiais a serem utilizados, medidas, espessuras, caimentos, características técnicas e prazos de execução sejam atendidos.

Fonte: http://infraestruturaurbana17.pini.com.br/solucoes-tecnicas/9/pisos-esportivos-para-ginasios-os-parametros-tecnicos-para-especificacao-241092-1.aspx