5 Problemas comuns em parquinhos e playgrounds (e como resolvê-los)

Se você leva ou permite que seus filhos brinquem em parquinhos, estejam eles no condomínio, na pracinha, na escola ou em qualquer outro local, você sabe que de vez em quando algum problema pode surgir.

Afinal de contas, estes locais são próprios para o desenvolvimento dos pequenos, que aprendem a se socializar, a construir amizades e a gastarem a energia – e os brinquedos!

Então, fizemos o post de hoje para você conhecer os 5 problemas mais comuns em parquinhos e playgrounds e damos algumas dicas de como resolvê-los, para que nada tire o seu sossego e a diversão das crianças. Vamos focar hoje nos problemas que podem ocorrer no playground da escola.

Vamos lá:

1. Crianças excluídas pelo grupo

Esse é realmente um problema bem comum e que pode ter várias causas. A criança pode ser tímida demais a ponto de não conseguir se enturmar; ela pode ter outro tipo de limitação que precisa ser investigado; ou, ainda, pode estar sofrendo bullying no playground.

Em casos assim, os professores precisam avaliar se este isolamento é comum durante as atividades no parquinho e de que forma isso está prejudicando o desenvolvimento da criança.

Por isso é muito importante que os pais fiquem bem atentos e conversem com seus filhos quando eles chegarem do colégio. Junto com a escola, talvez seja necessário avaliar formas de estimular a interação do pequeno com o grupo.

2. Brigas e conflitos entre crianças

Quando vemos uma briga entre os pequenos no playground, o primeiro impulso que dá é correr na direção e se transformar em um “juiz autoritário”, e às vezes, isso pode piorar a situação.

Nesse caso, procure manter a calma e o controle para que esses conflitos não se transformem em bullying ou agressão física. Procure entender o motivo da confusão, sem julgamentos, para que o desenvolvimento social das crianças não seja prejudicado.

Se for preciso, o tema da briga pode até gerar uma atividade ou discussão para ser trabalhado em sala de aula, estimulando os pequenos a refletirem sobre suas ações e as consequências.

3. Sujeira e presença de materiais externos

Até mesmo os supostos materiais inofensivos, como livros, caixas, lápis, etc., que estiverem no meio do caminho do playgroung, podem provocar acidentes.

Aliás, a recomendação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) diz que as áreas de circulação das crianças no parquinho devem permanecer livres.

Então, uma boa dica é a escola criar um plano de manutenção diária, delegar um responsável pela limpeza do local e educar as crianças sobre a importância de manter o ambiente sempre limpo e livre de objetos que podem fazer com que elas se machuquem.

4. Brinquedos que não funcionam

Brinquedos que não funcionam definitivamente precisam ser interditados e removidos até que sejam consertados. Esse é um dos problemas mais comuns em parquinhos e playgrounds que estão há muito tempo sem manutenção e vistoria.

Por isso, todos os dias inspecione como os demais brinquedos estão. Qualquer indício de parafuso frouxo, farpa solta, lasca de tinta ou outros perigos iminentes devem ser consertados rapidamente, e enquanto isso, os pequenos não poderão utilizá-los.

5. Falta de recursos para contratar um supervisor

Como dissemos acima, é preciso realizar uma vistoria diária no playground e, para isso, um supervisor é muito importante, pois ele torna-se o responsável habilitado e treinado para essa tarefa.

Se a escola não tiver recursos para essa contratação, então é preciso criar um plano de vistoria e supervisão do playground. Dependendo da idade da criança, pode-se até delegar a ela a tarefa de “supervisionar” as outras crianças. Enquanto isso, instale redes, colhões e os demais dispositivos de segurança para manter os pequenos brincando sem contratempos.

6. Cuidados com o piso

Tenha sempre cuidado com o piso do seu espaço, dados estatísticos comprovam que o acidente mais comum em playgrounds é por queda de criança. Tratando-se de piso sem proteção, as lesões decorrentes representam o principal motivo de entrada em pronto socorros – faixa de 1 a 14 anos. Sérios traumatismos, incluindo o maior deles – o craniano – podem ser evitados com a adoção de piso para playground efetivamente seguro. Fundamentalmente, portanto, o piso deve ser amortecedor de impacto, com elasticidade suficiente para neutralizar o choque com o chão em toda extensão do parquinho.

Confira nossa opção, o piso PLAYLOT!

Este piso modular esta conforme a ABNT NBR 16071-3! A importância do tema levou a ABNT a estabelecer normas para brinquedos e pisos para playground. O piso constitui parte essencial na especificação geral, por ser o ponto mais crítico de qualquer área de recreação infantil. A norma não recomenda material específico, mas sim seus atributos fundamentais:

Amortecimento de impacto – compatível com a altura crítica e uniforme em toda área do playground.

Antiderrapante – boa capacidade de absorção e drenagem de água.

Resistente as intempéries – preservação de suas características físicas originais.

 

Fonte: http://blog.aquarelaparques.com.br/5-problemas-comuns-em-parquinhos-e-playgrounds-e-como-resolve-los/